Pesquisadores apresentam resultados sobre a saúde dos atingidos pelo Rompimento da Barragem de Mariana

Na próxima sexta-feira, 13 de abril, a Faculdade de Medicina da UFMG realizará, às 10h, entrevista coletiva de imprensa para apresentar os resultados da “Pesquisa sobre a Saúde Mental das Famílias Atingidas pelo Rompimento da Barragem do Fundão em Mariana” (Prismma). O estudo foi realizado pelo Núcleo de Pesquisa e Vulnerabilidade em Saúde (Naves) da UFMG e a Cáritas Regional Minas Gerais.

O objetivo da Prismma foi avaliar a saúde, com ênfase na saúde mental, especialmente os transtornos, desordens ou sintomas que podem piorar com o estresse, como depressão, transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno por uso de substâncias e comportamento suicida.

Para isso, foram convidadas a responder os questionários todas as pessoas, com idades entre 10 e 90 anos, diretamente expostas à lama. Definindo, assim, como recorte para o estudo os indivíduos que residiam ou que tinham propriedades nos distritos de Bento Rodrigues, Paracatu de Baixo, Paracatu de Cima, Borba, Campinas, Pedras e Ponte do Gama na época do rompimento.

Também foram avaliadas algumas doenças relacionadas ao estresse que costumam se agudizar em situações como essa, como os sintomas somáticos/cardiovasculares e sua piora durante os dois anos após o rompimento: dor de cabeça; tonteira; falta de ar e palpitação.

“Avaliamos a percepção dos fatores relacionados ao desastre: se a pessoa acha que teve alguma contaminação, se a vida dela foi ameaçada durante o rompimento, se perdeu entes queridos ou a casa, se tem sofrido discriminação da sociedade, entre outros fatores que podem levar ao aumento do risco de complicações médicas, especialmente de saúde mental”, afirma a professora Maila de Castro. Ela ainda lembra que a avaliação incluiu a qualidade do acesso dos atingidos à rede de saúde. 

“É importante levantar esses dados para saber o que está acontecendo com essa população agora. Estamos falando de uma população muito vulnerável, para a qual medidas precisam ser tomadas, sejam imediatas ou medidas perenes”, defende Maila.


Serviço:

Entrevista coletiva: Resultados da pesquisa sobre a Saúde Mental das Famílias Atingidas pelo Rompimento da Barragem do Fundão em Mariana (Prismma)

Data: 13 de abril de 2018, sexta-feira

Horário: 10h

Local: Sala 29, Faculdade de Medicina da UFMG (Av. Professor Alfredo Balena, 190)

Estarão presentes na coletiva:

-Coordenadores da pesquisa e professores do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG: Maila de Castro e Frederico Garcia

-Representante da Cáritas: Gladston Figueiredo – Coordenador operacional da Assessoria Técnica aos Atingidos

-Representante dos atingidos pela Barragem de Fundão: Marino D’ângelo

 

Assessoria de Comunicação Social
Faculdade de Medicina da UFMG
Av. Alfredo Balena, 190. Sala 55.

Belo Horizonte. MG

Assessores de Imprensa:
 Gilberto Boaventura

Mariana Pires

Deborah Castro

Contatos:
(31) 3409 9133 ou 3409 9651 (Geral)
jornalismo@medicina.ufmg.br
http://www.medicina.ufmg.br/noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


sete − = 1