Vice-Presidente da AMP recebe título de cidadão honorário de Belo Horizonte

O plenário da Câmara Municipal de Belo Horizonte lotou na cerimônia de entrega do Título de Cidadania Honorária ao psiquiatra Jésus Almeida Fernandes, vice-presidente da Associação Mineira de Psiquiatria, ocorrida na segunda-feira, 12 de março.  Indicado pelo vereador Elvis Côrtes, o título é concedido a pessoas que não nasceram na capital, mas que prestam relevantes serviços à sociedade belo-horizontina.

A cerimônia, presidida pelo segundo vice-presidente da Mesa Diretora, vereador Léo Burguês, contou com a presença, entre outras autoridades, da presidente da Associação Médica de Minas Gerais, Maria Inês de Miranda Lima, da conselheira do Conselho Regional de Medicina e esposa do homenageado, Regina de Fátima Barbosa Eto, e do diretor  da Associação Mineira de Psiquiatria, Maurício Leão, além de parentes do homenageado, amigos e colegas de profissão.

Justificativa

Elvis Côrtes justificou a homenagem, informando da importância do seu terapeuta, que após longas conversas, mudou o seu jeito de enfrentar as dificuldades e o seu modo de enxergar a vida.  “E a homenagem se justificou mais ainda quando pude perceber as centenas de pessoas que esse médico ajudou ao longo de sua vida. E ainda, o quanto ele fez pela nossa sociedade, nas inúmeras participações em instituições médicas e nos serviços de saúde de nossa cidade”, finaliza o vereador.

Maria Inês, presidente da AMMG, citou suas ações, sempre presentes, na defesa da classe médica. A esposa, Regina de Fátima, disse ser testemunha de sua dedicação e carinho com os pacientes e conhecedora de suas lutas sociais em favor dos menos favorecidos, desde a época de estudante, no Diretório Acadêmico da Escola de Medicina da UFMG.  Lembrou sua defesa da classe médica, em especial junto às instituições que representou ao longo de sua vida, CRMMG, AMMG e agora na diretoria da Associação Mineira de Psiquiatria.

Depoimento do homenageado

O momento alto da cerimônia ficou por conta do Dr. Jésus, que, emocionado, lembrou seus tempos de infância pobre na antiga Itaporé, hoje Coronel Murta, no Vale do Jequitinhonha. Mas a referência pessoal ficou somente nisso em seu discurso, pautado na “gratidão ligada à felicidade”: “A gratidão é a mais agradável das virtudes. Ela não nos tira nada, é um dom sem perda e quase sem objeto. A gratidão nada tem a dar, além do prazer de ter recebido”.

E dessa forma, o psiquiatra e filósofo Jésus foi recheando seu discurso com palavras, segundo ele, tiradas de Aristóteles, Jean-Jacques Rousseau, Georg Hegel, os Friedrich Nietzsche e Engels, Baruch Spinoza e outros. Uma aula de filosofia que os presentes escutaram com atenção e carinho.

Fotos: Bernardo Dias / CMBH

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


8 − dois =