Como ficam as terapêuticas biológicas na pandemia

A sétima edição do Ciclo de Webinares da AMP contou com a participação de 266 inscritos de vários estados brasileiros e outros países. O tema ‘Como ficam as terapêuticas biológicas na pandemia’, de grande interesse dos psiquiatras presentes na videoconferência, contou com a participação dos palestrantes Guilherme Rolim, coordenador de Eletroconvulsoterapia do Instituto Raul Soares e Mercedes Alves, secretária da Associação Brasileira de Estimulação Cerebral (ABECer). Participaram, ainda Humberto Correa, presidente da AMP, como moderador e Marília Lemos, diretora da AMP, como debatedora.

A Ketamina ou cetamina, tema da palestra de Guilherme Rolim, é uma droga descoberta em 1956, que foi reconhecida e aprovada pelo U.S. Food and Drug Administration (FDA) em 1970, estando, portando há 50 anos em uso. Usado inicialmente como anestésico, hoje o medicamento é utilizado também como antidepressivo. Para Guilherme Rolim, esta é uma droga bastante eficaz para acalmar o paciente, reduzindo significativamente a ação suicida. O psiquiatra falou  em sua palestra sobre o  aumento do consumo da ketamina na pandemia  e os riscos de abuso. “Por isso, é muito importante que surjam novas propostas de tratamento supervisionado à distância para idosos. Estes tratamentos se tornam necessários e devem ser melhor avaliados quanto ao risco-benefício”, finaliza.

“A aplicação da corrente elétrica como forma de estimulação cerebral que provoca uma convulsão e consequente silêncio cerebral pós-ictal, com objetivo terapêutico tem inúmeras indicações e a mais importante delas é para o risco de suicídio, cuja taxa de resposta é de 80% a 90% no primeiro tratamento e de 50% a 60% em pacientes refratários. Idosos e pacientes com sintomas psicóticos respondem melhor ao tratamento”. Desta forma a psiquiatra Mercedes Alves iniciou sua palestra “TMS e ECT”, que, segundo a médica, trata-se de um tratamento seguro, com taxa de mortalidade praticamente inexistente.

Para Mercedes, a Covid-19 trouxe limitações e restrições aos métodos de estimulação cerebral, utilizado em sua clínica Stimulus. Ao mesmo tempo, a pandemia criou oportunidades em casos supervisionados e à distância, tratamentos acelerados e mais espaçados para reduzir o risco de exposição de pacientes e funcionários ao novo coronavírus. Em sua fala, a médica fez ainda uma ampla exposição sobre os procedimentos de segurança utilizados na sua clínica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


3 × = vinte quatro