Simpósio organizado pela AMP discute pandemia, barragens, e políticas públicas em Minas Gerais

O I Simpósio sobre pandemia, barragens, e políticas públicas em Minas Gerais está sendo realizado em Belo Horizonte, com resultados positivos não só de público como de temas científicos discutidos.  Com a organização da Associação Mineira de Psiquiatria (AMP), o evento totalmente online ocorreu nos dias 07 e 14 e  terá continuidade no dia 21. Para o psiquiatra e presidente da AMP, Humberto Correa, o evento tem “uma importância muito grande já que os acontecimentos recentes estão mudando hábitos e influências na saúde mental da população no estado”. Para ele, “é necessário discutir o momento em que vivemos e pensar como a psiquiatria pode contribuir”.

No dia 7, o tema Volta às aulas – Saúde mental das crianças, pais e professores durante a pandemia, de alto interesse no momento, abriu os trabalhos.  Por que as crianças e adolescentes podem se beneficiar do retorno às aulas, do ponto de vista médico? Quais as reais angústias e expectativas familiares para o retorno às aulas das crianças e adolescentes? Retorno às aulas no ensino público durante a pandemia é uma realidade? Essas foram algumas das perguntas respondidas na primeira mesa. Ainda no primeiro dia, entidades médicas  foram  o foco do encontro. Assunto como Instituições,  Galba Velloso, Raul Soares, Cepai e Barbacena e suas lutas  pelos direitos da assistência  chamou a atenção dos presentes na segunda mesa do dia.

Já no dia 14 de julho, o evento discutiu o Isolamento social e adoecimento mental na pandemia que debateu, dentre outros temas, as repercussões e conselhos sobre o que fazer para melhorar a saúde mental dos idosos na pandemia, as propostas do governo federal  para prevenção e tratamento da dependência química durante e após a pandemia e o adoecimento dos profissionais de saúde na pandemia. Neste dia ainda aconteceram duas mesas sobre os Serviços de assistência psiquiátrica no SUS: Onde e como procurar seus direitos e Como a Assembleia Legislativa pode colaborar com a melhoria da assistência psiquiátrica à população mineira.

No último dia, a  Psiquiatria e barragens: assistência às populações vulneráveis em situação de estresse e trauma constituirá  um dos últimos assuntos  a serem tratados no simpósio. Assim, serão levantados os  impactos e traumas das comunidades em áreas de barragens, o que o governo de Minas vai fazer para a melhoria da saúde mental da população em áreas de barragem e as repercussões emocionais nas comunidades e nos profissionais de quem vivenciou uma tragédia. O terceiro dia vai tratar também de vários outros temas como propostas dos governos federal e municipal para a saúde mental no pós-covid-19 e como o senado deve se posicionar diante disso.

Continue assistindo o I Simpósio sobre pandemia, barragens, e políticas públicas em Minas Gerais, com vagas ainda para o encerramento dia 21. Para maiores informações e inscrições, CLIQUE AQUI.

Veja o 1ª dia do Simpósio:

 

No segundo dia do I Simpósio sobre Pandemia, Barragens e Políticas Públicas organizado pela Associação Mineira de Psiquiatria o tema das discussões foi o Isolamento Social e Adoecimento Mental na Pandemia. Com coordenação do psiquiatra Bruno Couto Moreira, o evento contou com a participação de palestrantes como Quirino Júnior, Secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às drogas do Ministério da Cidadania, Cibele Alves de Carvalho, Presidente CRMMG e do Deputado Estadual Charles Santos.

Confira o 2º dia do Simpósio:

No último dia do I Simpósio sobre pandemia, barragens e políticas públicas em Minas Gerias, foram discutidas questões que envolvem a psiquiatria em desastres ocorridos em barragens, com sequelas às populações atingidas. Assistência às populações vulneráveis em situação de estresse e trauma foi um dos temas do debate, bem como quais as políticas públicas em psiquiatrias durante e após a Covid-19.

Confira o 3º dia do Simpósio

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


− seis = 1