Memórias ruins são apagadas em ratos

Memórias ruins são apagadas em ratos

Publicação: 17/09/2013 09:40 Atualização: 17/09/2013 09:44

Cientistas do The Scripps Research Institute, na Flórida (EUA), anunciaram ter eliminado, em ratos, memórias associadas ao uso de drogas, sem afetar lembranças benignas. O estudo, disponibilizado na internet na quinta-feira pela revista científica Biological Psychiatry, abre caminhos para tratamentos que ajudem, no futuro, pessoas que tentam largar um vício ou que tenham passado por experiências traumatizantes.

O cérebro humano, cuja estrutura tem várias semelhanças com a do de camundongos, tem a capacidade de ligar diversos detalhes aparentemente aleatórios em uma narrativa de lembranças coesas, o que tende a gerar uma cascata de associações. Em alguns casos, essa característica da mente humana pode dificultar a luta contra dependência química e outros processos maléficos.

Antigos usuários de drogas, por exemplo, costumam relatar que o desejo de consumir o produto pode ser disparado por associações feitas com cigarros, dinheiro e até chicletes (usados por consumidores de metanfetamina para aliviar o efeito de boca seca provocado pela substâncias). Assim, a simples visão de um pacote de doces pode fazer a pessoa se lembrar da época em que usava o produto tóxico e voltar a sentir a vontade de consumi-lo.

Moléculas No novo estudo, os cientistas inibiram a polimerização de actinas (grandes moléculas em formato de cadeia) ao bloquear um motor molecular chamado miosina II no cérebro dos animais. A interferência foi feita durante a fase de manutenção da memória de formação relacionada ao uso de metanfetamina. Mais tarde, testes comportamentais mostraram que os ratos perderam lembranças ligadas à droga, mas mantiveram outras.

“Nossas memórias nos fazem o que somos, mas algumas delas podem tornar a vida muito difícil”, disse, em um comunicado à imprensa, Courtney Miller, professora assistente do The Scripps Research Institute e coordenadora da pesquisa. “Estamos procurando estratégias para eliminar de forma seletiva evidências de experiências passadas relacionadas ao abuso de drogas ou a eventos traumáticos. Nosso estudo mostra que podemos fazer isso em ratos, sem prejudicar outras memórias”, completou.

Fonte: em.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


oito − 7 =